terça-feira, 12 de outubro de 2010

Não quero adultos nem chatos.
Quero-os metade infância e outra metade velhice!
Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto;
e velhos, para que nunca tenham pressa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário